LULA E TEMER: SIAMESES DO CRIME

Tenho uma particularidade gratificante: converso com o povão todo dia. Só a minha atividade médica me permite conversar com pelo menos 50 pessoas, todo dia e a razão é óbvia: trabalho de segunda a segunda, sou muito procurado e gosto de conversar com meus clientes. Sem me preocupar em ser chamado de vaidoso, tenho um título que jamais será alcançado por qualquer um outro médico: sou o mais popular otorrinolaringologista da história do Maranhão.

Esse introito debochado, talvez, poderia ser resumido assim: o doutor Bentiví fala diariamente com o povo. Pronto.

Nas conversas, noto algumas verdades e todos sabemos delas. A liderança do Lula é excepcional, o Temer é odiado, a decepção com a política é tamanha que são incontáveis as afirmações “vou anular o meu voto” e as pessoas não entendem como o Lula “bonzinho” está preso e o Temer, “o mau”, está solto. Essa dúvida se espraia horizontalmente na sociedade.

As pessoas não conseguem ver a realidade do contexto: Lula e Temer estão ajustados e ligados por um mesmo cordão umbilical chamado corrupção.

O fato de Temer está solto vitimiza o Lula e isso é bom, muito bom, para ele e para o PT.

Por outro lado, nessa luta pela soltura do Lula, o Lula tem centenas de aliados, usando todas as armas, em regra, desonestas, mas o maior de todos os aliados do Lula é o Michel Temer.

É o “efeito Orlof” da sacanagem. Lula solto agora é o Temer solto amanhã. Lula preso agora é a certeza de um  presidiário, de nome Michel Temer, em 2019.

Quando torço pela manutenção da prisão do Lula, não me move nenhum sentimento subalterno. Lula preso é a sinalização de que os Temers, Renans, Jucás, Collors e semelhantes amargarão o mesmo destino: cadeia. Bom para o Brasil.

Ah! Um detalhe. As pessoas, mesmo as que torcem e amam o Lula, guardam a convicção de que o velho companheiro meteu a mão no nosso bolso. Até os que o amam sabem: é bandido. Nesse caso, de estimação.

TROCA DE NOME E FALTA DE CARÁTER

Os absurdos são interessantes porque você jura que não acontecerão e acontecem. São muitos, mas tratarei de um só: o aumento não genético da “família Lula”.

A origem do absurdo é autoexplicativa: Gleise Hofman e Lindenberg Farias. São duas das maiores imbecilidades da política nacional, em todos os tempos e guardam muitas semelhanças, sendo as mais exponenciais serem petistas, badernistas, processados e com grande chance de serem companheiros de Lula, em alguma cadeia alhures. E se superaram.

Agora almejam mudar os seus nomes, acrescentando o “Lula” em seus registros políticos. Seriam Gleise Lula Hofman e Lindeber Lula Farias. Como a imbecilidade é ilimitada, pulula essa mesma proposta Brasil afora, inclusive no Maranhão. O Maranhão não merece.

Essa estapafúrdia ideia tem objetivos nobres, calcados na solidariedade e bom senso? Não e seria algo impensável algo meritório brotar de uma cabeça petista. Toda essa turma que quer acrescentar es “Lula” aos seus nomes são meros aproveitadores políticos, tentando ganhar eleição com o nome do Lula e todos sabemos que, apesar de um condenado por crime comum, o nome Lula tem forte apoio popular.

Esses “novos Lulas” são, simplesmente, aproveitadores, ludibriadores da fé pública e estelionatários do processo eleitoral.

Essa patacoada nada tem a ver com a absorção de apelidos ao nome original do registro civil. Temos muitos exemplos. O Zé do Sarney, virou Zé Sarnei; o Epitácio Afonso Pereira, tornou-se Cafeteira; Raimundo Nonato da Silva, tornou-se Jairzinho e um tal Luis Inácio da Silva agregou o Lula.

Essa patacoada é mais profunda. Trata de acrescentar o nome de um condenado  a mais de doze anos de cadeia, julgado e confirmada a condenação em quatro instâncias. Condenação confirmada determina  o fim de qualquer dúvida: o cabra é bandido.

Termino com uma simples sugestão. Já que essa massa petista e outros istas desejam homenagear a bandidos, vamos fazer homenagens mais abrangentes. Por  exemplo, Gleise e Lindenberg poderiam se chamar Gleise Marcola e Lindenber Beira Mar.

Nada que desmereça a honestidade do                               companheiro Lula.