DINO E O MITO DA FÊNIX

É evidente que pesquisas não representam a realidade das eleições. Pesquisas e eleições são fotos de determinado momento e, como se dão em momentos distintos, as fotos podem não ser as mesmas. As eleições maranhenses merecerão a minha análise.

Há três anos, o governador Dino era tão marcante que nem adversários tinha, até porque uma grande parte dos adversários sucumbiram na subserviência, apavorados com o tacão comunista. E que tacão!

O que deveria ser o maior partido de oposição, o MDB, se desmilinguiu e vários sarneisistas que receberam o de bom e o de melhor do sarneisismo, converteram-se à foice e martelo, em uma avassaladora cretinice. Um bom exemplo chama-se Gastão.

O PSDB, ganhando a vice, foi pior ainda: tornou-se um satélite, sem luz e sem rumo, do comunismo. O vice, que geralmente tem pouca importância, nesse caso foi sem importância ou importância de nada. É a mesma coisa.

A oposição ficou restrita ao Ricardo Murad, por sua deputada Andrea Murad e mais uns três deputados. Pequena e aguerrida. O governador Dino era o senhor absoluto, ademais, reelegeu o prefeito (um dia posso fazer essa análise).

Três anos se passaram e o governo do Maranhão conseguiu algumas proezas que merecem ser enumeradas.

Construiu a mais notória insatisfação entre aliados. Sim, entre aliados. Tenho conversado com centenas de políticos, com e sem mandato, e as reclamações sobrepujam o Muro das Lamentações, em Jerusalém.

Transformou aliados em adversários, por motivos reles ou inaceitáveis, e cada um desses casos pode merecer uma abordagem: Roberto Rocha, Zé Reinaldo e Waldir Maranhão.

Transformou um jovem deputado, Eduardo Braide, em uma liderança estadual, o que tira o sono de muita gente e, especificamente, do governador Dino.

Mas o maior feito político do governador Dino, fator de insônia e pesadelos, tem nome e sobrenome: Roseana Sarney.

Essa senhora, ao terminar o mandato, auto exilou-se na Flórida, por não ter como passear em São Luís. Nesses três anos, desafio a qualquer pessoa a mostrar uma ação política relevante e importante da ex-governadora. Aparece de vez em quando, uma viagem aqui ou acolá.

Muito pouco? Não sei, mas está bem colocada em qualquer pesquisa. É mérito dela? Pode ser, mas entendo que o maior responsável pela ascensão da senhora Roseana Sarney é o próprio governado Dino e isso o deixa inigualável na história política do Maranhão.

É o “FÊNIX REVERSO”. Ressurge o adversário das cinzas. A mitologia egípcia não conta essa história, mas a realidade maranhense contará.

Esperemos e um lembrete: como falei em pesquisas na introdução dessa matéria, nas próximas postagens tratarei delas.

2 ideias sobre “DINO E O MITO DA FÊNIX

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *