BOAS NOTÍCIAS

 

BOAS NOTÍCIAS

João Melo e Sousa Bentivi

Fatura liquidada e no novo ano teremos o novo presidente, chamado de Jair Bolsonaro. Todos, do Sérgio Moro ao Lula, sabemos que haverá mudanças. Haverá erros e acertos e o que espero é que os acertos suplantem os erros e, certamente, com Bolsonaro não haverá mensalão e petrolão, marcas indeléveis da quadrilha petista.

Não é segredo para ninguém que a educação brasileira merecerá atenção, pois a escola que temos não satisfaz. Entretanto uma simples notícia me deixou satisfeito. Explico.

O desarranjo petista contaminou ideologicamente a escola brasileira, de tal forma que não há espaço para a dialética. Em algumas universidades, principalmente nas públicas, você tem a liberdade de pensar tudo, desde que pense conforme os cânones esquerdistas. Tenho exemplos, bem próximos, do dano psicológico e ideológico que esses criminosos da mente causaram.

Mas Bolsonaro já deu uma notícia alvissareira: vai acabar com as tais “escolas” do MST.

Primeiro não são escolas, são antros formadores de militantes e o melhor exemplo dessa militância está bem aí, na finada Venezuela.

Segundo, recebem verbas públicas, praticamente a fundo perdido, sem comprovação da aplicação dos recursos e sustentando coisas nefastas, como esse tal de Stédile e assemelhados, inclusive, sabe-se que esse tal MST não tem personalidade jurídica, constituindo um nome de fantasia e a fantasia só não é completa, por se tratar de um grupo violento, que age ao arrepio da lei, em perfeitas ações terroristas.

O aviso foi dado. Eles podem ter escolas, mas não serão custeadas com o dinheiro público. Um bom começo do governo Bolsonaro.

O PT E O GAMBÁ

O PT E O GAMBÁ

João Melo e Sousa Bentivi

Todos sabem sobre um bicho chamado gambá: fede. Nada mais parece com o gambá, que um outro bicho chamado PT: também fede.

O exemplo mais marcante foi a cantilena de uma nota só, de um tal Hadad, reclamando das tais fakes. Foi nauseante, para dizer o mínimo.

Tudo encenação. A genética mentirosa do PT é conhecida, o seu maior líder, o presidiário curitibano, confessou, mais de uma vez, que mentia descaradamente nas entrevistas.

A denúncia sobre fakes de Bolsonaro era um anteparo para a militância petista mentir a cântaros e descaradamente. Era o gambá espalhando fedor (mentiras) para ninguém perceber. Mas percebemos.

Um exemplo entre milhares. O pastor Silas Malafaia denunciou que uma senhora carioca, de triste memória, chamada Benedita da Silva, colocou acintosamente um fake, no qual afirmava que Malafaia se arrependera do apoio a Bolsonaro.

A tal Benedita foi identificada, mas quantos outros petistas, anônimos e igualmente virulentos e mentirosos, mentiram mundo afora, pelas ondas da net?

Não dá para contar, porém dá para sentir o fedor.

Fora PT catingueiro!

ROBERTO ROCHA E O PSDB

ROBERTO ROCHA E O PSDB

João Melo e Sousa Bentivi

O pleito foi ruim para o PSDB maranhense e, daí, surgem todos os tipos de comentários, alguns sérios, porém a maior parte, eivados de deboche e escárnio.

Foi um pleito singular e apropriado para a existência de uma terceira via. O candidato mais preparado para sê-la era o Roberto Rocha. Os dois grupos hegemônicos disso sabiam e, de maneira articulada e coesa, eliminaram a ameaça: Roberto Rocha.

O sarneisismo entendia ser difícil ganhar, mas seria desmoralizante ser o terceiro, ou ter que apoiar a terceira via. O governador tinha certeza que contar com rejeição de Roseana era muito mais confortável que enfrentar o preparo e inteligência do Roberto.  À moda maquiavélica, os dois lados adversários entendiam que o inimigo era o Roberto. Nesse particular, Roseana e Flávio Dino eram perfeitos aliados.

Não falarei do cerco partidário do Palácio dos Leões contra o Roberto. Basta dizer que nesse palácio deve ter um contágio diabólico: mudam os nomes, mas não mudam os métodos. Deu certo e, sob as bênçãos de Stálin, uniram-se alhos e bugalhos, comunistas e fascistas, fervorosos e ateus, tudo em nome de Cristo ou das moedas de Iscariotes.

Entrementes, Roberto subia ou descia do calvário. Uma chapa proporcional pequena e de abnegados, recursos ínfimos, inclusive zero centavo para os deputados estaduais, acrescido de um drama familiar enorme, equivalente ao tamanho do problema de saúde de um ente querido. Ademais, o desempenho pífio do candidato presidencial do partido foi contraproducente para o desempenho estadual.

Muitas vezes, preocupado, comentava internamente: o Roberto vai desistir. Não desistiu e isso é de merecer admiração daqueles que possuem um mínimo de bom senso. Persistiu como fazem os fortes e o não êxito eleitoral não o diminui, pelo contrário, determina admiração e respeito.

Tudo isso já é passado e importa o futuro.

Roberto é Senador da República com quatro anos de mandato, o PSDB, apesar dos pesares, continua como um partido nacional e haverá de se reciclar, quem sabe começando pelo Maranhão. Esse Maranhão, cansado de guerra, continua repleto de problemas e somente essas considerações demonstram a importância do PSDB.

Entretanto mudanças são impositivas. Há de se refazer, chamar novas lideranças, construir novas lideranças, abrir espaços nas instâncias partidárias, resgatar os soldados feridos e transformá-los novamente em combatentes.

Tudo isso é possível, exequível e depende de todos nós, mas muito mais do Roberto Rocha. A derrota de 2018 pode ser a semente que germinará os frutos de 2020 e 2022. Creio que vai ocorrer e muitos companheiros, eu incluso, esperam essa nova oportunidade.

Ah! Ia esquecendo. Entre os erros cometidos, quero apontar um, aliás, dois: a pior chama senatorial possível. Podíamos passar muito bem sem ela. Não passamos. Uma pena.

 

 

VOLTANDO AO BLOG

VOLTANDO AO BLOG

Após alguns meses de ausência, volto ao meu blog – joaobentivi.com.br – e asseguro que postarei matérias e vídeos que contarão o cotidiano local, nacional e internacional. Não haverá assunto proibido, pois o bom jornalismo não se dá bem com o vocábulo proibição. Estamos nos orientando, também, para em breve termos um canal no You Tube. Aguardem.

Mas o assunto de hoje é outro, é a mentira, no linguajar atual, fake. Mentir sempre houve, afinal, satanás no Éden iniciou tudo com a mentira. Na vida política sempre haverá mentirosos e nos partidos também, porém mentir mais que o PT é impossível. Marina Silva conhece bem esse enredo petista.

O tal poste, também chamado Hadad, vociferou à exaustão  a agressão sofrida por uma indefesa moça petista, quando os  sanguinários bolsonarianos desenharam um símbolo nazista, acho eu, no bucho da indigitada. Foi denúncia até na ONU.

A verdade tarda, mas chega. Chegou. A petista era, aliás, é, nada mais que uma farsante. Caso alguém esteja procurando um mentiroso, não perca tempo, vá a um diretório petista, ou entreviste o Hadad, pois quem diz (o Hadad disse), em rede nacional, que o general Mourão, com 15 anos, era um terrorista, pode mamar em uma onça e fazer cafuné numa jararaca.

Falar a verdade fica, então, difícil, mas mentir, uma moleza.

Tenho dito.