SAUDADE DA RURAL

SAUDADE DA RURAL

João melo e Sousa Bentivi

O nome era Rural Willys, utilitário das décadas de 50, 60 e 70. Desapareceu e deixou saudades. Era um menino pobre e uma Rural Willys era um sonho.

Tudo mudou e o nome Wyllys mais importante é outro: um determinado sujeito que agora é um ex-deputado. A história do cara é esclarecedora para a lamentável “gran finale” de uma trajetória política.

Antes que um esquerdopata se aventure a querer classificar esse texto de homofóbico, peço que tire o cavalo da chuva, pois entre muitos milhares de pessoas que conheço, uma nunca seria homofóbica: EU. Meus amigos gays são centenas: amam-me e os amo. Pronto e continuo  com a minha convicção heterossexual.

O tal deputado Wyllys chegou ao Congresso Nacional de maneira limpa, pelo voto e com votação expressiva. Os brasileiros que nele votaram tinham um argumento memorável e edificante: o sujeito foi campeão de uma amostragem de imbecilidades e outras coisitas mais, chamado de Big Brother. Como o povo pode aprender, os votos foram diminuindo e, nessa eleição, ficou nas rabadas numéricas. Caso houvesse uma próxima eleição, creio que nem nas rabadas ficaria.

No Congresso nacional não mudou. Continuou Big Brother. O problema é que quem pagou os salários nesses últimos oito anos, não foi a Globo. Foi o povo brasileiro.

Dizendo-se ameaçado, escapuliu e renunciou o mandato. O mandato é exclusivamente do parlamentar? Creio que não. Primeiro, o mandato pertence ao partido e, depois, representa uma outorga do povo para ser representado.

Caso estivesse, de fato ameaçado, teve o ano inteiro todo para desistir de ser candidato.  Por que não fez essa renúncia antes da eleição? Por que ludibriou o seu eleitorado, dizendo que iria representá-los e escafede-se, sem mais  nem menos?

O fato gera uma salada de indagações e, até o momento, nenhuma resposta consistente. Caso Bolsonaro tivesse morrido naquele atentado, o senhor Wyllys estaria renunciando? Evidente que não. Conclui-se, sem o menor esforço, que o insucesso do terrorista Adélio e a vida preservada de Bolsonaro são gatilhos relevantes na fuga desse senhor Wyllys.

Muito falta para ser concluso e esclarecido, inclusive a quitação, por parte do senhor Wyllys que tem que quitar diversas indenizações, derivadas do seu jeito cordato de ser. Mas desconfio que esse Wyllys ainda nos revelará grandes surpresas.

Enquanto isso, revivo minha saudade da Willys. Que fique bem claro: saudade da Rural.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *