PROCURA-SE O CABO E O SOLDADO

PROCURA-SE O CABO E O SOLDADO

João Melo e Sousa Bentivi

Na minha última postagem, no meu blog, questionei se o tal STF poderia piorar e respondi: vai piorar. Estou afirmando a mais absoluta certeza. Os últimos movimentos da tal suprema corte confirmam. O pior nunca é alcançado.

Não se trata mais da sanha legislativa de quem tem a função primária de julgar e legisla; não se trata mais da vaidade descomunal amparada na nulidade jurídica de alguns, que não para de crescer; não se trata mais  de defesas ideológicas de quem deveria ser isento e teima em ser partidário. Não, a coisa é pior, os indicativos mostram que esse “supremo”, a cada instante, se desveste até da hipocrisia e assume a sua mais cruel faceta: favorecer no crime.

O objetivo de destruir a Lava Jato é o mais explícito.

A vontade de soltar o facínora Luiz Inácio nem é mais camuflada, é clara. A vontade de acabar a prisão de bandidos, após a segunda instância, só não se efetivou, até agora, pela pressão popular. A obsessão de acabar com qualquer hipótese de fiscalização sobre o próprio “supremo”, gerou a mais absurda e descarada inconstitucionalidade: o tal “supremo” instaura inquéritos, investiga (não sei como), produz provas e julga.

O pior: quem julgará as inconstitucionalidades do tal “supremo”? Deus ou belzebu? Pelas diabruras, essa turma de togados está mais para belzebu e bastante longe do Criador.

O Eduardo Bolsonaro, há pouco, ganhou muitas pedradas, quando, ao se referir ao tal “supremo”, disse que para fechá-lo, só necessitaria de um cabo e de um soldado, sem mesmo um jipe.

Eu mesmo achei a declaração descabida e forte, mas me penitencio e quero parabenizar o rapaz por tão interessante vaticínio. Um verdadeiro profeta,  bem a frente do seu tempo, quem sabe, um jovem Nostradamus, na linha do Equador.

O mais fácil, nesse caso, é o jipe, pois há milhões de patriotas que podem doá-lo. A questão, para a definição escatológica da premonição, é identificar o cabo e o soldado. Aí, com uma dor no peito, exclamo: que saudade de um cabo e de um soldado!

Tenho dito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *