BANDIDOS DA QUARENTENA

BANDIDOS DA QUARENTENA

João Melo e Sousa Bentivi *

Essa quarentena é o principal argumento da gentalha bandida, nessa crise do corona, para atingir o Bolsonaro e, até agora (espero que continue) estão absolutamente decepcionados com o famoso vírus: não aconteceu o morticínio projetado e desejado por eles, para derrubar o presidente, e o corona teima, teimosamente, em não entrar no Bolsonaro.

A coisa chegou a tal ponto que proliferaram Brasil afora, aprendizes de Hitler, que aqui, pela linha do Equador, são simples corruptelas, tais como Dória, Wytzel e outros pior qualificados. Essa turma, atropelando o ordenamento pátrio, tentou criminalizar o fato do cidadão, dentro do seu direito constitucional de ir e vir, achar de exercitar o ir e vir.

Nesse momento, o cidadão, com ordem de prisão, passa a ser um bandido pior que o Lula, pois esse, que é o mais conhecido facínora nacional, está soltinho da silva (artimanhas do funesto STF). O cidadão, sem roubar um til sequer, pode ser e é algemado.

Há pouco, vi um vídeo de uma solitária senhora, numa cidade de São Paulo, Araraquara, administrada por um prefeito picareta petista (desculpem o pleonasmo picareta), em maus lençóis. Como na música de Bruno e Marrone, estava sozinha, sentada no banco da praça, quem sabe, tentando esquecer.

Não adiantou dizer “seu guarda eu não sou delinquente”, nem que “era carente”. Os guarda municipais, ao arrepio da lei, algemaram a senhora, maltrataram-na e ainda querem processá-la por muitos argumentos, inclusive, porque a senhora, em legítima defesa própria, mordeu um dos agressores.

De acordo com esses discípulos nazistas, que fiz referência, quem obedece a quarentena está livre do corona e quem desobedece, pode até se livrar do corona, mas chegará facilmente a cadeia. O que não sabiam eles, porém, é que iriam comer do próprio veneno: dois desses energúmenos estão positivados para o corona, o Barbalho do Pará e o Wytzel carioca.

Romperam a quarentena, com certeza, não ficaram em casa comendo pizza gelada, ficaram dando entrevistas a toda hora, com holofotes de vaidade encaixados em algum local da anatomia. Desobedeceram a quarentena e posso chamá-los de os principais bandidos da quarentena.

Ainda amparado e baseado em seus próprios argumentos, digo que merecem ser presos. Claro que estou exagerando e sei perfeitamente que em um país em que Lula está solto e Renan nunca foi julgado, Barbalho, mesmo sendo um Barbalho e Wytzel nunca sofreriam as sanções da lei.

Entretanto tenho uma preocupação suplementar: o que faz aquele prefeito de São Paulo, o dia inteiro na rua, sem EPIs, dando entrevistas em três turnos, sem obedecer a quarentena? O pior é que esse ser esquálido é, clinicamente, um imunodeprimido e merece severos cuidados e precauções. Não as cumpre. A quarentena não serve pra ele? Dória deveria, em favor dos seus próprios argumentos ditatoriais, prendê-lo por desobedecer a quarentena doriana.

Essa é outra história, são comparsas no “antibolsonarismo”, aliás, companheiros. No caso, a mesma coisa.

  • Médico otorrinolaringologista, legista, jornalista, advogado, professor universitário, músico, poeta, escritor e doutor em Administração, pela Universidade Fernando Pessoa, Porto, Portugal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *