UM QUASE CENTENÁRIO SAFADO.

UM QUASE CENTENÁRIO SAFADO

João Melo e Sousa Bentivi *

Dizem que a idade nem faz um monge, tampouco canoniza um bandido. Severa verdade, principalmente se levarmos para um sujeito chamado FHC. Tem qualidades culturais, acadêmicas e literárias, mas ideologicamente é um lixo.

Pousando de liberal, preparou o Brasil para o paraíso dos esquerdopatas, inclusive, quando o Lula poderia ser cassado no mensalão, trabalhou no PSDB para deixá-lo fora, na tese lorótica de que Lula sangraria, até morrer politicamente. Tudo sacanagem do velho maroto, estava em conluio com o bandido e fica difícil distinguir o bandido do maroto ou o maroto do bandido. Eles se merecem.

Nos últimos tempos o velho maroto tem apresentado senhas de sacanagem política: “Bolsonaro perdeu a governabilidade”; “o governo perdeu a liderança política”; “a tese do parlamentarismo branco”; etc. Era a preparação do golpe.

O que os cretinos não contavam era que Roberto Jeferson colocasse tudo em pratos limpos: ESTÃO PREPARANDO UM GOLPE, CONTRA O GOVERNO BOLSONARO. Acontece que o golpe não é contra o Bolsonaro, é contra o Brasil.

Não havia dúvida dos planos violentos que unem um centrão fisiológico, com um PSDB sem alma e sem destino, uma esquerda diabólica e uma parte desse funesto STF, mas Roberto Jeferson clareou tudo, desvendou tudo, deu nome aos bois, com respeito devido aos bois, que não merecem tamanha calúnia.

Os principais nomes da infâmia são conhecidos: Maia, Alcolumbre, Toffoli, Gilmar, Lewandowski e ele. Quem seria ele? O maior bandido brasileiro, Lula.

Alguém me pergunta: há esperança? Respondo: creio que sim. Creio ainda no povo brasileiro, creio ainda nas orações dos fiéis de todos os credos, creio que ainda há uma parte da classe política que merece confiança e creio nas Forças Armadas, que constitucionalmente devem proteger a Pátria em perigo.

Sim, a Pátria está em perigo.

  • Médico otorrinolaringologista, legista, jornalista, advogado, professor universitário, músico, poeta, escritor e doutor em Administração, pela Universidade Fernando Pessoa, Porto, Portugal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *