SACERDOTE OU PASTOR ESQUERDISTA, PODE?

SACERDOTE OU PASTOR ESQUERDISTA, PODE?

(*) João Melo e Sousa Bentivi (**)

A minha resposta consciente é metafórica: seria o mesmo que entregar uma escola de menores para um pedófilo dirigi-la. Aliás, um sacerdote ou pastor esquerdista é mais nocivo que o tal pedófilo a que me referi. Explico.

Essas duas categorias, sacerdotes católicos e ministros evangélicos, só existem devido a existência de uma pessoa chamada Jesus. Esse Jesus não é simplesmente uma evidência de marcação de eras, esse Jesus é o resultado profético que permeia toda história bíblica, para promover, na humanidade, um fenômeno chamado REDENÇÃO.

REDENÇÃO é o ato de remir, redimir, libertar, soltar escravos por um preço, em outras palavras, voltar ao estado de pureza perdida e a pureza humana foi perdida, exatamente no Jardim do Éden, portanto redenção e voltar à pureza, é voltar ao Éden.

Um líder cristão, aliás, qualquer cristão, para sê-lo, tem que acreditar na existência do Jardim do Éden, portanto, na criação divina, na tentação e queda do primeiro casal, na promessa do próprio Deus de que mandaria um homem, filho da mulher, Jesus, com a missão de resolver, em definitivo, o desastre original e esmagar a cabeça da serpente, portanto, completar o processo da REDENÇÃO.

Cristão que aceita e prega o evolucionismo, de cara, nega a REDENÇÃO e se transforma, simplesmente, em um enganador da verdade bíblica, um farsante da fé, um discípulo de belzebu fantasiado de cordeiro.

Por tudo isso é que o verdadeiro cristão crê na ressurreição de Cristo e essa crença está alicerçada e alicerça o entendimento da REDENÇÃO, daí, o apóstolo Paulo, sabendo que apareceriam falsos líderes, falsos pastores, afirmou em  1Cor 15: 14: “E, se Cristo não foi ressuscitado, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé”.

Todo e qualquer esquerdista, para sê-lo, tem a obrigatoriedade de ser um seguidor de Marx e seus acólitos, daí a condição obrigatória é ser materialista e desafio a qualquer marxista/esquerdista a apontar como poderíamos inserir os ensinamentos de Cristo, no ideário marxista.

A Igreja Católica, no século passado, inventou essa mistura malvada, na chamada Teologia da Libertação e o resultado foi dramático para ela: perda de fiéis, crescimento dos evangélicos, notadamente os neopentecostais (muito bom) e, pior, um resultado diabólico: a Igreja Católica foi a principal responsável pelo nascedouro de uma organização criminosa, chamada de PT.

O marxismo desses líderes católicos é mais diabólico que todas as atrocidades doutrinárias da igreja, durante a Idade Média. Creio mesmo que se fizéssemos um ranking dos maiores erros da Igreja Católica, seriam a Inquisição e a criação do PT.

Nesse momento, como estudioso e admirador de tudo aquilo que presta, tenho pruridos de pavor, quando comparo o comportamento do Papa Emérito Bento XVI, de quem sou admirador, com o desse atual ocupante, “papa argentino” alcunhado como Francisco. Pelos seus comportamentos, suas preferências de amizades e interlocutores, tudo indica que as coisas podem piorar.

Mas ninguém pode dizer que o demônio é preguiçoso. De repente, vejo lideranças evangélicas filiadas a siglas como PT, PSOL, PC do B e similares e a pergunta é automática: burrice cristã, meninice teológica ou seriam instrumentos do maligno, infiltrados na Igreja, para corromper a verdadeira fé cristã?

Creio que a explicação para existência desses tais supostos líderes cristãos e diabolicamente esquerdistas está na Bíblia, em 2 Cor 11: 13, 14: “Pois os tais são falsos apóstolos, obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo. E não é de admirar, pois o próprio Satanás se transforma em anjo de luz”.

Enquanto muitos estão descaradamente nesses partidos anticristãos, existem os satanistas sorrateiros que se afirmam apolíticos, mas apoiam esses partidos do ideário marxista e, o mais lamentável, é um líder cristão liberar os púlpitos, para um marxista/esquerdista se pronunciar, às vezes, até citando a Bíblia.

Nada demais, o próprio Satanás, quando tentou Jesus, citou corretamente a Palavra, um esquerdista, para ganhar voto, será capaz de comer  hóstia, cantar hinos, quem sabe, falar línguas estranhas, até porque a língua mais estranha (estranha mesmo, de fato) que pode ocorrer, dentro de um templo, é a falada por alguém inspirado pelo demônio.

A verdadeira língua estranha, iniciada no pentecostes, para nós não é, de fato, estranha, é a língua dos anjos e os anjos são seres da pátria que todos os cristãos fiéis desejam, um dia, habitar.

Mas a crítica não é para o emissário do inimigo, que está tendo oportunidade no átrio do Senhor, ele está no seu papel de mentir e enganar, como o fez, desde o princípio. A crítica é para o ministro que abre o seu púlpito para mensageiros desse quilate, é o crente que se torna cabo eleitoral dessa gente, é o cristão que dá o seu voto para os inimigos da fé e, principalmente, para políticos com a capa de cristãos, de evangélicos, que fazem espúrias alianças, com o reino das trevas.

Pastores vendilhões, aprendam que todo templo guarda relação com o templo modelo que foi o templo de Salomão. Você, pastor, que faz negociatas políticas com o mundo e com esquerdistas, deveria saber que, na sua igreja, você deveria ser o sumo sacerdote e o lugar que você ocupa é o Santo dos Santos e esse local é consagrado para a verdadeira adoração a Deus, local exclusivo para ungidos. Por muito menos que isso, Ananias e Safira foram consumidos (Atos 4: 32-35).

Tenho um amigo, dos tempos pioneiros da ABU (Aliança Bíblica Universitária), que agora se diz e formalmente é pastor, em um estado nordestino, mas é diabólica e absolutamente esquerdista, inclusive odeia Bolsonaro. Tenho uma curiosidade para passar uma pequena temporada na igreja desse sujeito e tenho certeza absoluta de que um pastor com as suas desqualidades deverá dirigir a igreja de Laodicéia.

O que mais existe, hoje, são Laodiceias de esquerdistas. Numa igreja dessas será impossível o evangelho pleno. O evangelho que busca o arrependimento, que busca milagres e maravilhas, que busca os dons do Espírito Santo. Essas igrejas são meros clubes rotulados de cristianismo, mas com o verdadeiro Cristo ausente.

São igrejas materialistas, que se afastaram de Deus e receberam, do Senhor, essa sentença: “Assim, porque és morno, e não és frio e nem quente, vomitar-te-ei da minha boca”. (Ap 3:16)

Finalmente, um desafio. Ninguém está obrigado a concordar comigo e eu não tenho a pretensão de transformar nenhum esquerdista/materialista em um verdadeiro cristão. Isso não é o meu papel e se alguém se transformar, o fará pela ação do Espírito Santo.

Mas desafio a qualquer pessoa, em todo o universo, que prove base bíblica para as bandeiras defendidas pelos partidos de orientação marxista/materialista.  Todo mundo tem a liberdade de ser o que quiser, porém há sínteses incompatíveis e a mais incompatível que conheço é marxismo e cristianismo. Explico.

O homicida, o mentiroso, o adúltero, o desonesto podem se arrepender, reconhecer o seu pecado e o perdão é consequência desse reconhecimento. A Bíblia está cheia de exemplos de correção de rumos, na vida dos homens, mas em todos esses casos, os pecadores reconheceram a soberania de Deus.

O marxista/materialista não obterá perdão, não porque Deus não esteja pronto a perdoá-los, mas porque eles não se submetem a soberania do Senhor. Como caminham ao lado de Satanás, com eles ocorre o que está, em Tiago 2: 19: “os demônios também o creem e estremecem”. A Bíblia não fala que eles obedecem. Não obedecem.

E a pergunta inicial: sacerdote ou pastor esquerdista, pode? Já dei a resposta, na metáfora inicial, mas posso fazê-la com outras palavras. Lá, em minha Pedreiras, seria o mesmo que entregar o galinheiro para a raposa e, na Bíblia, o mesmo que entregar as ovelhas aos cuidados do lobo.

Um padre ou pastor esquerdista ou em conluio com a esquerda jamais entendeu ou praticou a parábola do bom pastor. Esse, o bom pastor, dá a vida pelas suas ovelhas, o ministro esquerdista caminha, com suas ovelhas para a morte. Simples e terrível.

Que Deus continue guardando o seu povo.

Tenho dito.

(*) Médico otorrinolaringologista, legista, jornalista, advogado, professor universitário, músico, poeta, escritor e doutor em Administração, pela Universidade Fernando Pessoa, Porto, Portugal.

(**) Pode ser reproduzido, sem a anuência do autor, em qualquer      plataforma de comunicação.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *