DEZ DIAS DE 2021.

DEZ DIAS DE 2021

(*) João Melo e Sousa Bentivi (**)

E 2021 iniciou de maneira frenética. Trump sai e Kamala entra, digo isso porque Biden é um ser inexistente, ou fim de carreira, tanto que o seu nome não rima com o futuro, mas nada muda, os democratas americanos, de hoje, não guardam nenhuma semelhança com os Kennedys, por exemplo, na realidade são psolistas americanos, mais ranzinzas e venenosos que os do Brasil (o que é pior pode piorar). A história de América first acabou, agora o first é a China. O mundo ainda vai chorar.

Pelo Brasil, em alguns aspectos, eu preferia continuar em 2019, com o meu Mengão trucidando todos e ganhando tudo. Desconfio que a urucubaca de 20 entrou com força no 21. Um pesadelo!

Na política nacional tudo tende a piorar para a seriedade, iniciando com quatro ministros do STF que resolveram não gozar férias. Isso é certeza de cagadas e interferências no governo e o presidente Bolsonaro tem a chance de continuar sendo uma perfeita alegoria.

Sim, alegoria, porque de fato a executivo brasileiro não governa,  em plenitude, melhor dizendo, não lhe deixam governar e a oportunidade de o presidente Bolsonaro realmente governar foi perdida, exatamente naquele dia em que obedeceu a um ordenamento espúrio e não manteve a nomeação do dirigente da PF.

Foi a senha que os Toffolis e Alexandres queriam. Resta uma só saída: ou o presidente peita o STF, ou estará se candidatando a ser o Trump brasileiro, em 2022.

Aqui, pelo Maranhão, como em todo Brasil, a novidade foram as posses dos comandos municipais, São Luís em destaque, por sua importância e, muito mais, porque por seu peso específico, a capital é pedra angular na sucessão de 2022.

Com muito prazer estive na campanha vitoriosa do prefeito Braide, contribuindo da melhor maneira e ele, o prefeito, mais que qualquer outra pessoa, sabe das minhas motivações em apoiá-lo, inclusive já tinha feito isso na eleição anterior. Disse-lhe textualmente: meu voto é do convencimento, acho você o melhor candidato. Creio, deveras, que acertei.

Não seria, jamais, um calhorda para, oportunisticamente, fazer elogios ao prefeito que entra e críticas para quele que se foi. A minha análise é política, conceitual, quase impessoal e avessa aos interesses subalternos, mas os dez dias do prefeito Braide mostram uma mudança de postura interessante.

Primeiro. Todo governo tem composições, mas reconheço que as escolhas do prefeito, ainda que correspondam a acordos políticos (e isso é da regra), foi de sua absoluta vontade e discernimento. Esse secretariado tem a sua cara e carrega o seu DNA.

Segundo. Está posta uma meta de performance: 100 dias. Ou seja, a equipe sabe que esse prefeito cobrará resultados e isso pode redundar em eficiência administrativa. Definitivamente não teremos secretários anônimos, pois o pior de todos os gestores é aquele que a população não toma conhecimento de sua presença.

Terceiro. Parece que a conta de luz municipal, de água e cafezinho. está muito e muito mais cara. A informação que tenho é que as reuniões de trabalho adentram a madrugada e, somente isso, já mostra que está se formando uma equipe. Na administração, como no futebol, equipe tem que ter técnico, muito treino, suor e repetição. A resultante é a favor da coletividade.

Quarto. O prefeito deve ter aprendido com aquele adágio popular que afirma “quem engorda o burro é o olho do dono”. Traduzindo: quem faz uma administração eficiente é o olho do gestor, no caso o olho do prefeito. Ele já deve ter recebido centenas de relatórios, mas nenhum relatório pode prescindir da avaliação in loco, na afirmação de um saudoso personagem da TV, “cara/crachá”. Um detalhe não pode ser olvidado, esse comportamento presencial do prefeito tem jeito de se transformar em uma marca de sua administração. Merece parabéns.

Quinto. São mais de 30 colaboradores, mas um se destaca, a escolha da vice Esmênia, como Secretária de Educação. A história do mundo é vasta sobre a figura dos vices e, pela minha observação, do processo, inclusive a primeira análise jornalística sobre a vice foi de minha lavra, posso asseverar o acerto da escolha.

Mas quando a vice é convidada para uma das secretarias mais importantes do governo, isso é uma interessante sinalização. O prefeito quer a certeza de que essa secretaria será bem gerida, que se trata de alguém firmemente envolvida com o setor e que haverá uma absoluta relação de confiança, mais exponencial que com os outros secretários, todos demissíveis ad nutum.

Mas são somente dez dias, muito pouco tempo em relação a quatro anos vindouros e, como espero ultrapassar muitas décadas ainda, quero ter a alegria de continuar analisando a administração do nosso atual prefeito com esses meus olhos de esperança. Sei, perfeitamente, que ele enfrentará dificuldades, mas sei, também, que as dificuldades forjam os grandes líderes.

Que 2021 seja fértil em realizações para essa nova administração e que uma fada encantada possa trazer de volta o Flamengo de Jorge de Jesus, pois esse de agora tem me feito produzir rios de lágrimas de amargura.

Tenho dito.

(*) Médico otorrinolaringologista, legista, jornalista, advogado, professor universitário, músico, poeta, escritor e doutor em Administração, pela Universidade Fernando Pessoa, Porto, Portugal.

(**) Pode ser reproduzido, sem a anuência do autor, em qualquer      plataforma de comunicação.

 

E PAPA COMUNISTA, PODE?

E PAPA COMUNISTA, PODE?.

(*) João Melo e Sousa Bentivi (**)

Há pouco tempo escrevi uma matéria, na qual provei que um sacerdote católico, ou um ministro evangélico possuíam uma absoluta incompatibilidade em ser ministro cristão e esquerdista. Provei, à luz da Bíblia, que a incompatibilidade  se dá, mesmo, entre Cristo e marxismo, os dois não podem conviver em uma mesma pessoa.

Quando criança, nas Assembleias de Deus, conheci  muito bem, um dos principais pontos de discórdia entre católicos e protestantes: São Pedro. Todo cristão sabe que Pedro foi o líder inicial da Igreja Primitiva, entretanto, à época, protestantes abominavam se dizer que Pedro fora o primeiro papa. Hoje essa questão não é relevante.

Mas o papado é o mais proeminente aspecto dogmático do catolicismo e nesses muitos anos a Igreja Católica teve ótimos papas e papas verdadeiramente diabólicos, assunto extenso, que nunca caberia nesse arrazoado.

Há papas exponenciais como Melquíades (311-314), primeiro papa africano, construtor da paz com o Império Romano; Silvestre I (314-335), que estabeleceu o acordo com Constantino e canonizado sem ser mártir; João XXIII (1958-1963), um curto papado e mudou a cara da Igreja, com ponto  alto no Concílio Vaticano II e, finalmente, o papa João Paulo II (1978-2005), que dispensa comentários.

Mas o número de papas diabólicos é grande, com pecados de várias matizes, inclusive a Igreja Católica nega, veementemente, a figura da papisa Joana ou João VIII (855-857), que pariu, afirmam, em uma procissão. Citam-se Sergio III (904-911), amante de prostitutas, assassino de Leão V, de quem se diziam “escravo de todos os vícios”; Bonifácio VIII (1294-1303), entre suas qualidades destacava-se a pedofilia e mereceu destaque no Inferno de Dante Alighieri; Júlio III (1550-1555), que nomeou um amante a cardeal e um bispo insatisfeito escreveu um poema “Elogio a Sodomia”.

Não tratarei, por controverso, o papel do papa Pio XII, que poderia ter sido cúmplice do nazismo ou, também, ter livrado milhares de judeus da morte. Tratarei, sim, de um tal de Jorge Mario Bergoglio, ou Chico, aliás, Francisco. Um mar de dúvidas e apreensões em quem conhece a Bíblia e os evangelhos.

Como professor de Bioética, em tantos anos, ensino aos meus alunos a importância ética do Vaticano e respeito tanto o Vaticano, que já o visitei várias vezes, inclusive em um momento exponencial, quando assisti uma missa rezada por Bento XVI, de quem sou admirador.

Classificava o Vaticano como âncora moral da vida, pois os seus dogmas repercutiam em católicos e não católicos, cristãos e não cristãos, de tal maneira que se concordava ou discordava, mas a âncora era cristã.

A mesma Bíblia que afirma que o amor é irrestrito é também a mesma Bíblia que garante a existência do pecado  e é a mesma Bíblia que não permite que creiamos em uma parte e abdiquemos da crença em outra. A ideologia de gênero, o materialismo e o marxismo não têm guarida no texto sagrado e o papa, por definição, deveria ser o maior defensor do texto santo.

As suas afirmações sobre o criacionismo são frágeis e inseguras e todos podem não acreditar no criacionismo, mas o verdadeiro cristão tem a obrigação de defendê-lo, pois sem a base do criacionismo, do jeito que está no Gênesis, a fé cristã é nula. (1 Cor 15:14)

Porém faltava o descortino da farsa papal, que já se mostrava no amor que esse tal Francisco nutre pelo lixo político mundial: Lula, Dilma, Maduro, os Castros, para ser exemplificativo. Veio a aprovação do aborto na Argentina, verdadeiro presente para os esquerdopatas de todas as etnias.

O farsante papal, que chorou pela queima de uma andiroba, na Amazônia, não dá um pio de inconformismo e reprovação pela morte de milhares de inocentes, na Argentina, sua pátria. Volto para a minha Bíblia, de novo, e vou até concordar que Pedro foi o primeiro papa, mas dizer que esse Chico, aliás, Francisco é um verdadeiro sucessor de São Pedro, vira um sacrilégio.

São Pedro, por exemplo, em momento de questionamento do próprio Jesus, foi taxativo na obediência:  Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras de vida eterna. (Jo 6: 69)

Esse Chico, aliás, Francisco está muito longe de São Pedro, mas semelhante a um tal Herodes. Herodes ordenou a morte dos inocentes, o tal Chico, aliás, Francisco aceita calado, em sua pátria, esse horrendo crime. Comparando os dois, Chico e Herodes, Herodes, por incrível que pareça, merece mais respeito: era enganador, mas não era hipócrita.

Chico é as duas coisas. Lamentável, um nojo. Sem julgamento, Chico, faça, a você mesmo, essa simples pergunta: EM MEU LUGAR, O QUE FARIA JESUS?

Jesus não faria quase nada do que Chico faz. Vade retro, Chico!

Tenho dito.

(*) Médico otorrinolaringologista, legista, jornalista, advogado, professor universitário, músico, poeta, escritor e doutor em Administração, pela Universidade Fernando Pessoa, Porto, Portugal.

(**) Pode ser reproduzido, sem a anuência do autor, em qualquer      plataforma de comunicação.