BOLSONARO ESTADISTA

BOLSONARO ESTADISTA

(*) João Melo e Sousa Bentivi (**)

O título dessa matéria tem vários efeitos, incluindo pruridos pudendos intensos, em região posterior. Faz bem, já é um dos objetivos que alcanço. Vamos ao principal.

O 7 de setembro bombou e eu pude ver gente de todos os tipos e cores e quando eu penso que a esquerdalha nos chamava de fascistas, trago dois exemplos de fascistas perigosos: dona Raimundinha, amiga dos meus velhos tempos de adolescência, com mais de 80 anos, enrolada em uma bandeira nacional e Sofia, linda loira de 2 anos, a cara do avô, fardada de verde-amarelo. Sofia é minha neta.

A imprensa bandida engoliu na marra: não dá para negar os milhões que foram às ruas.

De repente a decepção: Bolsonaro não deu um murro na mesa e não quebrou vidraças. Muito pelo contrário, dá uma mensagem em nível de benção de Arão. A decepção minha e de milhões tem explicação científica: a burrice é sempre mais apressada e não dá bolas para a razão. Basta raciocinar. Raciocinei.

Bolsonaro tinha e tem, em mãos, todos os elementos e argumentos, quer jurídicos ou logísticos, para muitas medidas, inclusive para fazer a volta imediata da constitucionalidade perdida, mas isso seria com um custo alto, terrível e o Brasil teria que arcar.

Os inimigos da pátria sabem disso muito bem, estão desesperados, sem saídas e, em não tendo saídas, procuram o caos. Bolsonaro, estadista, não descarta o caos, mas trabalhará para, se isso for inevitável, que o seu ônus  não seja debitado em sua conta pessoal e política.

Não posso dizer o teor das conversas com Temer et caterva, mas posso afirmar que ao fazer um discurso apaziguador, Bolsonaro simplesmente jogou no colo do STF uma bomba. O Brasil e o mundo irão acompanhar não as ações e palavras do Bolsonaro, porém todos acompanharão os movimentos do STF, Câmara e Senado.

As medidas de força, se em um determinado momento forem necessárias, serão postas e todos sabem disso. O que não se sabe (pelo menos eu não sei), ainda, é se os outros atores da querela cumprirão seus scripts.

Bolsonaro teve outro lucro. Uma parte dos brasileiros que durante muito tempo engoliu o discurso bandido da esquerda, de que o presidente era um sujeito belicoso, nesse episódio entende o erro dessa percepção e entende que, apesar de declarações, às vezes, inconvenientes, o presidente é, acima de tudo, sincero e não radical. Ponto para Bolsonaro e aumento de percentuais de apoio.

Os bolsonaristas  e conservadores mais radicais, que no primeiro momento se rebelaram, começam a entender os nós do novelo e um fato é relevante, com cara amarrado, ou encrespada seguirão o presidente, mais ou menos como aquele episódio em que Jesus, após dá uma dura lição nos discípulos, perguntou: vocês querem me abandonar? São Pedro respondeu por todos: para quem iremos nós, pois tu tens as palavras de vida eterna.

O exemplo serve como luva. Para quem é cristão, que defende os valores familiares e as pautas da seriedade, que não compactua com a corrupção, que não sonha com uma ditadura de esquerda, etc. etc., quer goste ou não goste, a única opção é o Messias, aliás, Jair Messias.

Essa é uma das explicações do sucesso do presidente, a ponto de muitos chamá-lo de mito. Entrementes, um sujeito nonodáctilo, para ir à praia, com a sua namorada, precisa de guarnição policial e quando se encontra com sete pessoas, recebe vaias de seis.

Uma última observação. Eu não desejaria, jamais, ter um adversário como Bolsonaro. Aprendeu a falar com o povão, a ponto de dizer palavrão e não perder voto de fundamentalista religioso. E é muito favorecido por seus adversários. Três exemplos.

As ações do STF contra o presidente, assim como o perdão jurídico ao Lula agregaram apoio ao presidente e foram desastrosos para a imagem do STF, basta alguém fazer uma pesquisa formal ou informal, com uma única pergunta: você ama o STF?

O segundo exemplo é o próprio Lula. Perdeu, definitivamente, o status de líder popular e carismático. Desde 2007, salvo engano, não consegue ir às ruas. Porém a presença de Lula no cenário elimina o surgimento de qualquer nova liderança na esquerda, e aniquila a tal “terceira via”. Sabe quem ri e se lambuza de satisfação com isso? Bolsonaro.

Terceiro, a CPI do covid.  Um fiasco. Já foi da cloroquina, da ivermectina, da vacina, da Copa América, do Pazzuello, da Nise, do futebol, do vazamento de sigilos e outras coisas mais (nunca encontrou o Gabas!). Porém não consegue encontrar falha no governo, está engolindo o sucesso da Vacinação, a diminuição da pandemia e tem uma acusação que será anedota histórica. Afirmará que o governo Bolsonaro é corrupto, sem que nenhuma pessoa tenha recebido um único centavo de corrupção.

Mais ou menos bêbado sem álcool, lombrado sem maconha ou assassino sem cadáver. É ou não é para gargalhar.

Mas o pior é pior ainda. Uma CPI cujo trio representativo é Omar, Randolfe e Renan, caso acusasse Al Capone, Al Capone seria inocentado.

Caso alguém de mim discorde, observe a tristeza da esquerda com a nota do Bolsonaro, alguns choram até agora, nada demais, estão treinando para chorar em 2022.

Tenho dito.

(*) Médico otorrinolaringologista, legista, jornalista, advogado, professor universitário, músico, poeta, escritor e doutor em Administração, pela Universidade Fernando Pessoa, Porto, Portugal.

(**) Pode ser reproduzido, sem a anuência do autor, em qualquer      plataforma de comunicação.